quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Jornalista demitido por ordem de Jacques Wagner se junta aos PMs grevistas na BA

O radialista e jornalista, Valdeck Filho, que trabalhava como repórter no programa policial “Na Mira” apresentado pela TV Aratu, foi demitido na última sexta-feira (3/2). 

Valdeck perguntou ao diretor geral qual o motivo de sua demissão e obteve como resposta de que estava sendo dispensado e que não importava o motivo. Posteriormente, o jornalista descobriu que a direção geral da emissora estava acatando ordens do governador da Bahia, Jacques Wagner.

A equipe do “Na Mira” confimou o motivo da dispensa: “não fomos nós do programa que o demitimos, ele foi embora por ter apoiado a greve dos policiais”, disse uma funcionária do programa.
Crédito:Agência Brasil
Governador não aceita atitude de jornalista e pede sua demissão a emissora na Bahia.

À IMPRENSA, Valdeck Filho, esclareceu algumas questões que, segundo ele, foram distorcidas pela mídia baiana. Ele acusa a imprensa de estar “comprada” pelo governo. “Toda a imprensa baiana blindou o governo, não se olha para os lados, o governo manda as informações e os veículos publicam da forma como recebem. A mídia está publicando notícias falsas a respeito da greve nos colocando como os culpados da história. Mais de 250 pessoas foram assassinadas, mas ninguém comenta sobre isso”, desabafou o jornalista.

“A imprensa diz que os PMs estão matando as pessoas, dizem que a polícia forjou essa greve para saquear a população, mas na verdade, os crimes vêm acontecendo pela falta de policiamento, por lutas territoriais e vingança. O governador poderia cooperar e resolver isto, mas preferiu cercar a Assembléia nos impossibilitando de sair”, acrescentou.

Após sua demissão, Valdeck aderiu ao movimento dos policias militares e afirmou que tudo poderia ser resolvido sem greve. “Em momento nenhum, os PMs queriam causar confusão, só queriam que as gratificações do passado fossem pagas. Essa é a única reivindicação dos policiais”, afirmou.

O jornalista passou a usar laptops e celulares para informar a população sobre o que vinha acontecendo, até que cortaram a água e a luz dos grevistas. “Está difícil conseguir mantimentos e divulgar o que acontece agora”, disse.

Na última sexta-feira (3/2) na parte da noite, ele se juntou aos policiais em greve, em frente à Assembléia Legislativa baiana, local onde estão acampados para protestar contra o governo local que não quer cumprir os compromissos com a polícia. No mesmo dia, Dilma Roussef autorizou intervenção federal. Soldados do exército foram levados para o local da greve para cercar os grevistas, impossibilitando sua saída para comprar mantimentos.

Desde então, aproximadamente dois mil policiais com suas famílias e o jornalista, seguem sitiados em frente à Assembléia. Estão cercados, por homens do exército, helicópteros e atiradores de elite estrategicamente posicionados.

Na noite da última segunda-feira (6/2), familiares se aproximaram do cerco formado pelos soldados e jogaram suprimentos para que os grevistas consigam resistir o máximo que puderem. 

“Eu ando sempre com dois policiais ao meu lado, eles não me deixam sozinho e não querem que eu me exponha tanto, o risco é iminente”, comentou Valdeck.

*Com supervisão de Vanessa Gonçalves.
 
Temos como intuito postar notícias relevantes que foram divulgadas pela mídia e são de interesse do curso abordado neste blog. E por isso esta matéria foi retirada na íntegra da fonte acima citada, portanto, pertencem a ela todos os créditos autorais.

Artigos Relacionados

0 comentários:

Postar um comentário

Queremos saber sua opinião, então, fique à vontade e comente.